Pipoca Moderna | Uma apresentação complexa precisa ser chata?
702
post-template-default,single,single-post,postid-702,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive

Uma apresentação complexa precisa ser chata?

Fazer uma apresentação sobre um tema complexo sempre exige um maior preparo por parte do apresentador. Nesse vídeo, (para assistir é só clicar aqui) Ken Robinson fala sobre o sistema educacional mundial, e como a hierarquia de importância das matérias imposta pelas escolas limita e até reprime a expressão artística das crianças. Você já deve estar esperando assistir uma apresentação incrivelmente chata e cheia de termos técnicos, certo? Errado. Ken consegue expressar sua opinião de uma maneira cotidiana, engraçada e impactante. Tornando uma apresentação complexa muito interessante.

Comece devagar
Repare como ele não começa a apresentação falando de si, dizendo qual é o seu currículo e por que a sua opinião deve ser levada a sério. Ele contextualiza o tema de sua apresentação, pontua pontos importantes e usa como exemplo a própria conferência que está participando para exemplificar tudo isso. É sempre bom procurar exemplos que o público conheça, ou que sejam fáceis de explicar para eles.

Use exemplos, conte histórias
Outra característica marcante dessa apresentação é a sequência que ela segue entre conteúdo e histórias. Antes de apresentar sua opinião, Ken sempre procura introduzir o assunto com algum fato cotidiano, ou alguma história. Por contar fatos que ocorreram na sua vida e até fazer piada com a sua profissão, Ken consegue gerar uma empatia com a plateia. É sempre bom quebrar o gelo dessa forma, e usar a si mesmo como exemplo, pois assim a plateia se sente mais íntima de você.  Mas sempre tome cuidado com os exemplos, nada muito comprometedor. Esse looping entre histórias e conteúdo é o que mantém o público atento à apresentação, e torna a tese de Ken mais palpável, já que a todo momento ele cita exemplos reais.

Reforce seu objetivo principal
Depois de contar mais uma história, dessa vez sobre Gillian Lynne, uma famosa coreógrafa que quando criança foi mandada para um psicólogo por não se comportar bem na aula, ele encaixa a sua opinião. Encerra resumindo toda sua palestra em algumas frases de efeito, o que vai fazer o público sair dali sabendo exatamente o que ele quis dizer.

Rodrigo Ventura
rodrigo@pipocamoderna.com

Sócio-fundador da Pipoca Moderna, colecionador de discos, apreciador de plantas, livros e churros.