Pipoca Moderna | Robin Williams: o que aprender sobre apresentações com o gênio
1264
post-template-default,single,single-post,postid-1264,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Robin Williams: o que aprender sobre apresentações com o gênio

Uma apresentação pode ter diversos objetivos. Seja passar uma ideia ou conceito para uma plateia, mostrar um novo produto, convencer pessoas, mas as que mais nos marcam são aquelas feitas para emocionar. Robin Williams era um mestre nessa arte e sempre conseguia nos transmitir muita emoção, talvez por isso muitos de seus filmes são lembrados com muito carinho pelos fãs. No post de hoje, como uma pequena homenagem ao grande Robin Williams, vamos ver o que podemos aprender sobre apresentações com ele.

Mantenha-se fiel a sua ideia, mesmo que digam que ela não é boa. É sempre muito difícil conseguir apresentar algo original de uma maneira fácil para a plateia compreender o que você está falando. Se você realmente acredita na sua ideia, porém quando você a apresenta as pessoas dizem que ela é confusa e não tem como dar certo, não quer dizer que sua ideia esteja errada, mas sim, a forma de apresentá-la. Busque uma melhor forma de convencer seu público, mas não deixe de lado aquilo em que você acredita. Em Sociedade dos Poetas Mortos, Robin Williams interpretava o professor John Keating. Em suas aulas, ele lecionava língua inglesa, e despertou nos alunos um grande interesse por poesia e por arte. Suas técnicas eram diferentes do padrão e ele enfrentou resistência por parte dos estudantes no começo. Porém, com seus ensinamentos, os seus alunos começaram a questionar a escola autoritária, e o estilo de vida imposto pelos seus pais. O professor fez despertar neles a vontade de viver, como ele mesmo ensinou, Carpe Diem (aproveite o dia).

Aposte na emoção. Apresentações quadradas demais cansam e não criam nenhuma empatia com o público. Eu sei que somos seres racionais, vivendo em sociedades complexas, preocupados com nossos empregos e futuros, mas mesmo assim, somos movidos pela emoção. Conte uma história, saiba como encontrar um meio de quebrar o gelo do público e ganhe-os pela emoção. Em Aladdin, Robin Williams interpretou o Gênio da Lâmpada, ganhando um globo de ouro pelo papel. O Gênio é a alma do filme, aquele que nos fez rir e se emocionar. Impossível não citar a cena na qual Aladdin usa seu terceiro pedido para libertar o Gênio de sua tarefa e diz: “Gênio, você está livre.”….. opa, caiu um cisco no meu olho aqui.

Robin Williams pode ter partido, mas seus filmes e seu legado continuarão sendo vistos e emocionando várias gerações ainda. Mesmo sendo uma grande perda, ele nos deixou muita coisa. Oh Captain, my Captain, descanse em paz.

Rodrigo Ventura
rodrigo@pipocamoderna.com

Sócio-fundador da Pipoca Moderna, colecionador de discos, apreciador de plantas, livros e churros.