Pipoca Moderna | A Matrix das apresentações
1363
post-template-default,single,single-post,postid-1363,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-5.7,vc_responsive

A Matrix das apresentações

Talvez um dos filmes mais referenciados aqui no blog, porém que nunca havia ganho um post único. Chegou a hora de Matrix, um filme que misturou filosofia, storytelling e com toda a certeza, tem tudo que boas apresentações precisam ter.

Trabalhe com símbolos. Muitas vezes tratamos de assuntos abstratos, ideológicos ou metafóricos durante a nossa apresentação, tornando difícil sua assimilação por parte do público, e ainda mais difícil conseguir expressar algo referente na tela do PowerPoint. Para isso existem símbolos, estereótipos e clichês para nos ajudar. Coloque na tela ícones, símbolos ou imagens que facilmente remetem ao assunto do qual você quer falar, tornando tudo mais fácil de ser compreendido. Pensando em Matrix, nada está lá a toa, até os nomes dos personagens representam símbolos que determinam sua função na trama: Neo, significa novo, e ele, como personagem principal, representa o escolhido para mudar a realidade. Também refere-se a Noé, homem responsável por prover um novo mundo. Morfeu, na mitologia grega, era o deus dos sonhos, como no filme os seres humanos vivem num mundo imaginário, ele representa justamente a ligação entre esses mundos e faz Neo “acordar” do seu sonho. Trinity, vem de trindade, que junto com Morfeu e Neo, formam os personagens principais de Matrix. Bem simbólico, não?

Uma história pode representar muito mais do que aparenta. Contando histórias durante sua apresentação você pode falar sobre filosofia, ciência, religião ou qualquer outro tema que você quiser. No filme por exemplo, vemos milhares de analogias entre a trama e a filosofia. Toda essa ideia de dizer que os seres humanos vivem num mundo irreal não é de hoje. Isso é decorrente de uma alegoria contada por Platão, a Alegoria da Caverna. Nela, ele conta a história de seres humanos que nasceram e cresceram acorrentados, virados de frente para o fundo de uma caverna, e tudo o que eles veem são as sombras daqueles que passam do lado de fora da caverna. Portanto, as sombras, para aqueles homens, representaria a realidade? Fica aí a questão. Bem parecido com o filme, não? Só substituir a caverna por máquinas e voilà! Tanto em uma versão quanto na outra, se discute o uso da razão, a ideia de que vivemos uma ilusão se não pararmos para pensar no mundo a nossa volta, se não filosofarmos. Elas despertam uma pulga atrás da nossa orelha, nos fazem pensar. Você pode usar uma história com um objetivo muito maior do que simplesmente entreter, tudo que precisa é saber encaixá-la na sua apresentação.

Mesmo com efeitos um pouco datados, vale a pena rever Matrix, ainda mais se você achou que tudo era uma bobagem, sem nenhum fundamento filosófico, mas agora pode realmente compreender o que o filme estava querendo dizer. E ainda, pode aprender muito sobre apresentações, deixando essa caverna cheia de gráficos e ppts sem graças, para pegar a pílula vermelha e embarcar no mundo de apresentações criativas e interessantes.

Rodrigo Ventura
rodrigo@pipocamoderna.com

Sócio-fundador da Pipoca Moderna, colecionador de discos, apreciador de plantas, livros e churros.