É lógico que esses 4 conceitos de design que vou passar aqui não vão te tornar um designer, nem vão resolver todos os seus problemas na hora de criar uma apresentação, porém eles te darão uma ótima base para começar a melhorar seus slides, te tornarão mais crítico na hora de analisar uma apresentação, seja de terceiros, ou quando você contratar alguém para produzir seus slides. O importante é você entender esses conceitos, aplicá-los e com o tempo, se aprofundar no assunto. Eu os retirei do livro Apresentações Zen, de Garr Reynolds, um perito no ramo de apresentações. Contraste: Somos guiados pelo contraste. Mesmo sem perceber, estamos a todo momento procurando por similaridades e notando diferenças. O contraste é o combustível do design da sua apresentação. Portanto, se você quer destacar uma informação certifique-se que ela esteja bem diferente dos outros elementos e não meio diferente. Isso...

Whiplash é um filme que conta a história de Andrew, um jovem baterista que estuda em uma das melhores universidades de música nos Estados Unidos e tem o sonho de se tornar uma lenda do Jazz. Seu professor, Fletcher, acredita que gênios não nascem, mas são criados a partir da exaustiva prática e muito estudo. Por isso, leva seus alunos quase a loucura tamanha a cobrança. E com Andrew não foi diferente. Quando vi esse filme, ficou muito claro a relação de sua história com apresentações e como o que vemos em tela pode ser aplicado quando vamos subir em um palco e apresentar uma ideia. Portanto, hoje vamos ver como buscar a perfeição em apresentações. Ensaie Exaustivamente. Eu já falei em isso em diversos outros posts, mas nunca tinha encontrado um exemplo tão bom quanto o de Whiplash para demonstrar meu argumento. O baterista tem...

Apresentações são poderosas armas de comunicação, se usadas da maneira correta. No post de hoje vamos ver quais são os erros mais comuns cometidos em apresentações. Essas dicas servem para você fazer um autopoliciamento da sua performance desde antes da apresentação até o recebimento do feedback. Muitas dessas dicas vêm da nossa experiência na Pipoca quanto com o nosso relacionamento com nossos clientes, portanto, vale a pena prestar atenção: Fazer uma apresentação sem realmente precisar dela Na ânsia de buscar reconhecimento, de dar um passo à frente na empresa, de expor suas ideias as pessoas fazem apresentações sem pensar duas vezes se o seu conteúdo realmente vale uma apresentação. Você tem uma teoria ou uma ideia realmente consistente? Já procurou pesquisas que sustentem sua teoria? Já se informou se outras pessoas já tentaram aplicar algo parecido com o que você está pensando em apresentar? E qual foi...

Birdman (2014) é um filme americano escrito, dirigido e produzido por Alejandro González que tem como principal objetivo criticar tudo o que esteja relacionado a Hollywood: seja os críticos que colocam seus interesses pessoais à frente da verdade, da insana busca por fama e prestígio dos atores, do estilo de vida mentiroso que é vendido na mídia, entre outras coisas. Apresentações são muito mais parecidas com filmes do que você pode imaginar. Em ambos, argumentos e fundamentos são expostos para propor uma crítica, uma reflexão, um ensinamento ou apenas para entreter. Portanto, você pode ver filmes e com eles aprender a melhorar suas apresentações. No caso de Birdman, o filme pode te mostrar como tornar sua apresentação em PowerPoint mais relevante. Você deve selecionar seus argumentos. O que isso quer dizer? Tudo o que você falar na sua apresentação é relevante para a plateia e guiará...

Boas apresentações são feitas de ideias originais, de sacadas incomuns e de uma percepção totalmente nova em relação ao mundo por parte do apresentador. Fácil falar, difícil fazer, eu sei. Mas hoje escolhi uma apresentação para ser analisada aqui que pode te mostrar que talvez isso não seja tão difícil quanto parece, que mostra como ser original em uma apresentação. Joshua Walters é um apresentador diagnosticado bipolar, e em sua apresentação ele mostra como sua condição muitas vezes é favorável para agradar ao público. E o que isso tem a ver com você e suas apresentações? Tudo. Use você mesmo como exemplo: Essa é uma técnica comum dentre grandes apresentadores, que contam episódios reais de suas vidas, contam sobre suas empresas e as vezes, até sobre seus casos de bipolaridade. A questão aqui é, para ser original, para conseguirmos diferenciar nossas ideias dentre todas as outras, temos que...

Voltamos das férias! E com isso, não tive como não lembrar de Ferris Bueller, um cara bom de conversa que passa aquele papo na sua mãe, em seu diretor e seja em quem for preciso para faltar a aula e…curtir a vida. Como muitos estão agora voltando pro trabalho, ou prestes a voltar, nada melhor do que lembrar desse cara e pelo menos aprender algo sobre como usar personagens em apresentações. Já falamos aqui sobre a importância do storytelling – que nada mais é do que contar histórias – dentro de uma apresentação, e também já falamos sobre como os personagens das suas histórias são de vital importância para conseguir a atenção, e o mais importante, a identificação do público com a sua narrativa. No filme Curtindo a Vida Adoidado temos dois personagens muito marcantes e que exemplificam muito bem como bons personagens podem ser construídos. Ferris Bueller, é claro,...

Atenção pipoqueiros, como a Pipoca está entrando em férias hoje, vamos ficar sem posts aqui no blog (calma, não chore) até o dia 12 de janeiro, quando a gente volta pro batente. Porém, para não te deixar sem dicas sobre apresentações, resolvemos fazer um compilado de algumas das dicas que já demos aqui no blog inspirados em diversos filmes diferentes. Clube da luta: Surpreenda seu público. Faça algo diferente, torne sua apresentação dinâmica. Quando o público participa da sua apresentação, ele passa a fazer parte dela e aqueles que estão de fora passam a se interessar e a querer fazer parte também. Uma brincadeira ou uma pergunta são técnicas usadas para quebrar o gelo e entreter. No caso de Tyler, quando estava com Jack em um estacionamento de bar ele simplesmente olha para Jack e pede “me dê o soco mais forte que você consegue”. Jack é...

Nas próximas semanas, daremos dicas de conceitos de design para apresentações com referência nos livros Apresentações Zen de Garr Reynolds e Slide:ology de Nany Duarte. O tema de hoje é a relação sinal vs ruído em apresentações. Um termo mais técnico geralmente usado para transmissões de rádio, que foi apropriado para apresentações. Hoje, abordamos temas cada vez mais conceituais e intangíveis em nossas apresentações. Serviços, softwares, causas, liderança intelectual, gestão, visão corporativa e etc. O problema é que tudo isso é invisível, e pensar em alguma forma de expressá-los visualmente em nossos slides e torná-las tangíveis é uma forma de fazer arte. Construir slides eficientes e objetivos é extremamente difícil, e muitas vezes, na ânsia de por tudo o que vamos falar na tela, acabamos criando ruído em nossa comunicação com o público. E é aí que entra a relação entre sinal/ruído que refere-se ao quanto de informação você...

Mad Men é uma daquelas séries que viciam. Ela passa-se nos anos 60, nos Estados Unidos e mostra o cotidiano de uma agência de publicidade. A série apresenta a complexidade social da época, personagens muito interessantes e o mais importante, nos ensina muito sobre apresentações. Como tudo se passa numa agência de publicidade, vemos a todo momento pessoas tendo insights criativos e apresentando ideias mirabolantes para clientes, o que pode nos ajudar em nosso dia a dia. Analisando como eles têm ideias, podemos aprender como criar uma apresentação mais completa. Não se apegue a sua primeira ideia. Muitas vezes quando estamos gerando ideias para nossa apresentação e vemos a primeira “boa” ideia surgir, nos agarramos a ela e imediatamente, sem pensar duas vezes, definimos a estrutura da apresentação. Don Draper (personagem principal da série) discorda desse método. Uma de suas dicas é nunca se apegar a...

O termo morte por ppt já é famoso. Ele resume o quão chata uma apresentação de PowerPoint pode ser. Como nos desanimamos quando entramos na sala de aula ou numa palestra onde o projetor de slides está ligado, chegando ao ponto de morrermos de tédio. Porém, será culpa da ferramenta ou as pessoas estariam a utilizando da maneira errada? Em uma pesquisa feita pela University of New South Wales, comprovou-se que as pessoas têm dificuldade de processar informações que chegam na forma escrita e verbal ao mesmo tempo. O que torna o PowerPoint não um amplificador da mensagem, mas sim um criador de ruído na comunicação entre orador e público. Uma vez que ainda é comum vermos pessoas que colocam nos slides exatamente as mesmas palavras do seu discurso. Será que, com o resultado dessa pesquisa, o PowerPoint viria a ser extinto? Claro que não, inocente. Mas, com certeza,...