Com a Alemanha saindo derrotada da primeira Guerra Mundial, a necessidade de construir uma nova ordem social acabou surgindo. Ela precisava se atualizar, se reerguer, se reconstruir. No meio de conflitos econômicos, políticos e culturais a Bauhaus foi criada (1919) e veio justamente pra ajudar nesse processo de renovação. A ideia da escola era misturar as Belas Artes com a Revolução Industrial. Usar a indústria como matéria prima artística e ferramenta de trabalho. Elevar o design dos produtos feitos para a grande massa. Bauhaus não acreditava na arte pela arte. E a partir disso, já vem a nossa primeira dica. Você está acompanhando o que está acontecendo? Lê notícias de diferentes portais? Se mantém informado e busca por atualidades na sua área de trabalho? Saber o que está acontecendo no mundo, no Brasil, ou na sua cidade é essencial para você conseguir se adaptar. Para você...

Em sua palestra, Tony Fadell nos fala sobre como sair da rotina é importante (clique aqui para ver a apresentação completa). Sobre como se pararmos para pensar, nós nos habituamos ao que nos acontece no dia a dia. Até porque se não fosse assim, a gente ia ficar a todo momento notando cada detalhe de tudo o que está acontecendo, e isso nos deixaria exaustos. Porém, às vezes é bom darmos um passo para trás e analisarmos melhor a nossa rotina. Com certeza vamos encontrar formas de solucionarmos problemas que antes, nem mesmo tínhamos percebido que existiam. Ou tínhamos nos acostumado com eles, na verdade. Tony é um designer, e prestar atenção nos detalhes é o seu ganha pão, mas para nós, reles mortais, parar e prestar atenção no que fazemos todos os dias sem nem perceber pode ser algo muito vantajoso. Podemos otimizar o...

A Tropicália foi um estilo musical que surgiu no Brasil nos anos 60 e fez sucesso assim como fez polêmica. Entre os representantes principais estavam Caetano Veloso, Os mutantes, Gilberto Gil, Tom Zé, Gal Costa e mais uma galera gente boa. Vamos ver o que é que conseguimos aprender sobre apresentação com a Tropicália. O que fez desse movimento musical o que ele foi, foram as referências que os artistas buscaram. Eles traziam o que fazia sucesso lá fora, principalmente o movimento hippie e o rock alternativo, e misturam com o que tínhamos aqui no Brasil, como o samba, o forró, baião, bossa nova e etc. A ideia era acompanhar as inovações estéticas que estavam acontecendo na música, mas colocando um temperinho brasileiro e não perdendo o gosto nacional. As suas apresentações também devem ter referências. Busque referências incansavelmente, sejam gringas ou nacionais, se mantenha informado do...

O que podemos aprender sobre apresentação com O Grande Hotel Budapeste? Esses dias aqui na Pipoca, enquanto a gente conversava sobre o filme O Grande Hotel Budapeste, na hora sagrada do café, alguém disse: “Geralmente o Wes Anderson só se preocupa com a estética dos seus filmes e deixa a história meio de lado, mas nesse filme, ele conseguiu cuidar tanto da estética quanto do roteiro.” E na hora percebi como isso tem tudo a ver com apresentações. Ter bons slides é muito importante. Slides agradáveis visualmente que passam credibilidade e ajudam a sustentar sua fala, são essenciais para conquistar o seu público. Nesse blog, muitas vezes, focamos muito no conteúdo da sua apresentação (e eu já vou explicar porque) mas falamos algumas vezes sobre como é importante ter bons slides e como isso pode ajudar na sua apresentação. E aqui vai um compilado de algumas das...

Tudo em uma apresentação tem que partir de um propósito. Nada deve estar ali à toa, mas sim alinhado a um objetivo. O design, por exemplo, deve ter uma função dentro da sua apresentação. Pra começar, precisamos estabelecer aqui que design não serve só para deixar os seus slides bonitos, mas sim, eficientes. Eles ajudam você a passar a sua mensagem e apoiam suas falas. Sua apresentação não deve depender dos slides, mas deve ser muito mais eficaz com eles. Bom, mas voltando a falar de design, de uma maneira geral, ele nunca serviu apenas como enfeite, ele sempre teve uma função dentro da comunicação, dentro da arquitetura, da arte, etc. Ele sempre teve uma tarefa a cumprir e a partir disso, ganhou forma. Em alguns posts que vou escrever aqui, vamos falar sobre a história do design e como isso pode nos ajudar não...

O post de hoje será sobre nada. Porém, durante o meu texto eu vou fingir que estou falando sobre algo. Por exemplo, isto daqui é uma introdução. Imagine que eu estou contextualizando um tema, te apresentando uma perspectiva sobre algum assunto qualquer. Aqui vem um exemplo sobre o que eu estava falando. E agora, vou apresentar uma frase que fará você querer seguir em frente e ler o texto todo. Ok, é brincadeira caro leitor, esse texto será sobre alguma coisa. Será sobre o discurso de Will Stephen, que em uma apresentação no TED, a maior conferencia de apresentações no mundo, fez exatamente o que eu fiz no começo do texto: falou sobre nada. E mesmo assim, vamos aprender algo sobre apresentações com ele. O link dessa apresentação completa tá aqui. Na apresentação de Will vemos a estrutura básica de uma apresentação. Ele percorre pela apresentação...

Certamente existem pessoas que pensam que apresentações são, por si só, algo chato e sem graça, que servem apenas pra apresentar os relatórios do fim e do mês e pronto. E tudo bem, esse realmente é um tipo de apresentação, e sim, as vezes é chato porque você tem que falar apenas sobre números. Mas pensar que apresentações se resumem a isso é um grande erro. Apresentações estão no nosso cotidiano. Quando estamos discutindo com nossos amigos, tentando expor um ponto de vista. Quando estamos falando sobre a nossa empresa pra alguém. Quando queremos mostrar a solução que pensamos pra um determinado problema. Fazer uma apresentação é uma forma de expressar as suas ideias, fazer com que elas cheguem à outras pessoas e mais que isso, que convença e transmita uma mensagem a elas. Mas não é só por umas palavras num slide e pronto? Se...

Praticamente todos nós temos esse problema. Após horas dedicas a criação de uma apresentação, na elaboração do roteiro e finalmente na criação de slides, agora você tem que decorar seu discurso. E essa parte não é fácil, eu sei. Com muito estudo e treino, uma hora você vai conseguir ter seu discurso na ponta da língua, mas então você percebe que precisa atualizá-lo e mudar algumas coisas na linha de argumentação, e agora você tem que recomeçar o processo para decorar tudo de novo. Será que não existem dicas, truques e formas de melhorarmos nossa memória e termos mais facilidade para finalmente decorarmos nossas apresentações? Boas notícias caro leitor, pois existem sim. E foi na apresentação de Joshua Foer, que você pode assistir aqui, que descobrimos isso. Bom, na verdade, vamos dividir o post de hoje em duas etapas. Na primeira vamos resumir algumas dicas...

Somos constantemente abordados pela pergunta: mas e aí, o que é que você faz? E muitas vezes a pessoa que nos fez essa pergunta pode ser um cliente em potencial ou ainda um futuro parceiro. Portanto, saber respondê-la de uma maneira atrativa e eficiente é essencial para qualquer um. Porém, nem sempre temos o tempo que desejamos para conseguir explicar o que é que fazemos, afinal de contas, isso nem sempre é tão simples assim. Então, falaremos hoje sobre Elevator Pitch (discurso de elevador) que é justamente uma miniapresentação que você deve ter pronta para quando precisar apresentar seus serviços, sua empresa ou seu produto de uma maneira rápida e atrativa. Aqui vão algumas dicas de como você pode aprender a fazer o seu Elevator Pitch: Escreva um discurso. Ele pode ser de 30 segundos ou de no máximo 3 minutos mas é importante que você...

Já discutimos aqui no blog que slides não são documentos. Que você não deve colocar neles todo o texto que você dirá durante a apresentação, mas sim uma complementação visual. Já falamos também sobre contraste, alinhamento, unidade e proximidade nos slides, mas faltou citar um conceito essencial que deve constar no design da sua apresentação: o espaço vazio. Não, não é brincadeira. Espaço vazio nos slides não é a ausência de elementos. O espaço vazio também deve ser visto como um elemento e de muita importância. Por que? Os seus slides devem apenas complementar a sua fala, portanto eles servem para guiar, chamar a atenção e reforçar alguns pontos principais do seu discurso. E não existe a menor possibilidade de isso acontecer se ele estiver abarrotado de informações, gráficos, tópicos, notas de rodapé e é claro, o logo da empresa. O conceito básico do espaço vazio é dar destaque...