Como usar analogias em apresentações

Como usar analogias em apresentações

Às vezes é difícil deixar as coisas claras para o público. Você tem ideias muito boas, mas de forma nenhuma, elas parecem entrar na cabeça das pessoas. E depois da apresentação, seu público tem dificuldades em dizer em qual língua foi feita a apresentação: “Ela tava falando em grego, latim ou hebraico? Não sei ao certo, só sei que não entendi nada.” Pois bem, pra tentar te ajudar com isso, vou falar sobre o uso de analogias em apresentações e como isso poder útil para facilitar a sua comunicação.

Primeiramente, a nossa memória funciona muito bem com associações (já falei sobre isso e tem um TED todinho direcionado a memória) e analogias nada mais são do que criar associações entra assuntos diferentes. Achar semelhanças entre coisas que aparentemente não têm muito a ver. Mas que na verdade têm! E criando esses ganchos você facilita a compreensão e memorização da sua mensagem.

Um grande exemplo é a palestra realizada pela Maria, aqui da Pipoca: a Jazzmistificando apresentações. Nessa palestra, a Maria compara apresentações com Jazz e desmitifica muitas coisas sobre essa forma de comunicação. Agora vamos analisar os pontos fortes dessa estratégia. O primeiro, é como já dissemos, criar associações e ganchos entre assuntos diferentes para facilitar a compreensão das pessoas.

E outra importante característica desse tipo de estratégia é: qual a impressão que você quer passar com a sua analogia? Quando se fala em Jazz, as pessoas associam isso a algo sofisticado, clássico, criativo e artístico. Já apresentações em PowerPoint, geralmente não recebem os mesmo adjetivos. A proposta da palestra era justamente mostrar como apresentações não precisam ser vistas como algo quadrado, corporativo e sem graça, mas sim como algo interessante, criativo e até artístico.

Escolha um assunto que você domina, gosta e consiga fazer associações com o que você quer apresentar. Analogia serve para facilitar sua comunicação e passar uma impressão para o público. Assim, quem sabe, ele vai entender que sua apresentação foi toda feita em português.

Eduardo Brunetto
du@pipocamoderna.com