Pipoca Moderna | Por que a forma de fazer apresentações mudou?
1378
post-template-default,single,single-post,postid-1378,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Por que a forma de fazer apresentações mudou?

Falamos a todo momento sobre a forma “ultrapassada” de se fazer apresentações e da ideia de que estamos criando uma nova. Porém, o que foi que aconteceu? O que no meio do caminho fez alguém parar pra pensar sobre a forma de fazer apresentações e descobrir que elas poderiam ser melhores? O que, socialmente, levou a necessidade dessa transformação? Falaremos hoje sobre o best-seller escrito por Daniel Pink (o cara da foto), O Cérebro do Futuro. Nele, Pink fala sobre as novas aptidões necessárias para se destacar profissionalmente e como a criatividade e a inovação viraram alvos de uma grande valorização. De como pessoas que conseguem gerar empatia, despertam emoções e sabem contar histórias estão conquistando o mercado e são o motor do setor corporativo atual.

Essa nova visão contextualiza a necessidade de novos tipos de apresentações. Como o mercado mostrou precisar de pessoas mais criativas e inovadoras, as apresentações tradicionais ficaram obsoletas e deslocadas dentro do novo cenário exposto por Pink. Vamos relacionar aqui as principais características dessa nova Era e entender como elas se relacionam com apresentações.

Design, não apenas função:

Pessoas costumam confundir design com decoração, não levando em conta sua verdadeira função. O design participa do começo de tudo e está presente desde o planejamento de qualquer projeto, ele dá forma as ideias. Nas apresentações, entender, explorar e demonstrar suas ideias, argumentos e histórias de uma maneira visual envolve um gigantesco planejamento e estudo que faz toda a diferença.

História, não apenas argumento:

Nos dias de hoje todos temos acesso a dados, gráficos, estudos e etc. Quando as pessoas vão a uma apresentação, elas não querem que você apenas lhes entregue mais números, mas sim os contextualize, dê a eles um porquê. Histórias são um ótimo meio de se fazer isso.

Sinfonia, não apenas concentração:

A habilidade de ter ideias originais, entender padrões e expô-los ao público é o que Pink chama de Sinfonia. Esse é um grande diferencial em uma apresentação: conseguir apresentar uma visão original. Conseguir mostrar que o público não tem todas as respostas, mas que você pode ajudá-los.

Empatia, não apenas lógica:

Aqui entra uma abordagem mais emocional na parte das apresentações. Empatia significa se colocar no lugar dos outros, entender que sua apresentação não é feita para você, mas para seu público e saber alinhar o seu conteúdo para eles. E a partir disso criar conexões e ligações emocionais, tornando sua mensagem mais forte.

Brincadeira, não apenas seriedade:

Segundo Pink, a ideia de que seriedade está ligada com responsabilidade e credibilidade já era. Gente sorridente é gente criativa e produtiva. E lembrando que humor não é ser aquele seu tio do “pavê ou pra come”, mas sim conseguir despertar sorrisos, tornar o ambiente mais descontraído. O mesmo vale pra apresentações, você não precisa se prender a padrões por ter medo de não passar credibilidade, ser engraçado ou descontraído apenas acrescentará a sua apresentação.

Significado, não apenas acumulação:

Por mais clichê que isso soe, ao fazer uma apresentação você está mudando o mundo de alguma forma. Aquela pequena conexão emocional, aquela mensagem que você passou, por mais que pequena, gerará algum tipo de transformação na vida das pessoas. Portanto, caso você realmente goste de alguma coisa, seja do seu trabalho, de política, de cozinhar, ou seja lá o que for, apresente-se tentando passar a mesma sensação para o público. Estabeleça uma conexão com a plateia a partir do significado que o tema da sua apresentação tem para você.

É, não adianta negar, a forma de fazer apresentações mudou e elas ganharam muito mais espaço, se tornando uma ferramenta essencial para a comunicação de uma empresa. Ignorar isso significa ficar para trás e perder espaço, portanto, leia nosso blog, procure a Pipoca e nós te ajudaremos a criar apresentações que condizem com essa nova Era.

Eduardo Brunetto
du@pipocamoderna.com