Pipoca Moderna | Os bons companheiros de apresentações
1381
post-template-default,single,single-post,postid-1381,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

Os bons companheiros de apresentações

Os Bons Companheiros (GoodFellas) é um filme dos anos 90 dirigido por Scorsese que conta a história de três amigos gangsters: Henry, Tommy e Jimmy, e tem muito a nos ensinar sobre apresentações.

Saiba como reagir à plateia. Existe sempre a possibilidade de alguém na plateia estar lá só pra te avaliar e pretendendo medir forças com você. Geralmente essas pessoas param a sua palestra ou workshop para tentar contrariar seus argumentos, ou interrompem constantemente sua apresentação, fazendo com que sua linha de raciocínio perca o ritmo. É lógico que você tem que manter a calma e nunca tentar medir forças, sempre responder da maneira mais breve e educada possível, assim, você acaba conquistando uma maior confiança do público, pois você soube responder a um contra-argumento, fortalecendo seu discurso. “Mesmo que um membro da audiência escolha assumir o papel de “oponente”, sua irritação ou qualquer demonstração de raiva certamente não irão fazer nenhum bem a você, nem ao resto da audiência (90% que podem estar apoiando suas ideais)” – disse o sábio Garr Reynolds em seu livro Apresentações Zen. Quanto ao filme, Tommy era o mais estressadinho dos três. E justamente por ser completamente intolerante, ele acabou causando muitos problemas para os seus dois amigos e a ele mesmo. Só não conto mais porque é spoiler.

Não se leve tão a sério. “Como assim? Sou uma pessoa de negócios, com um milhão de responsabilidades e pessoas que dependem do meu trabalho, como não vou me levar a sério?” Acalme-se meu caro leitor, vou explicar melhor. Essa dica, de certa forma, complementa a primeira. Pois ao não se levar tão a sério, você deixa de encarar uma interrogação de alguém da plateia como insulto, ou como um confronto e consegue ser mais flexível. Portanto, mesmo sendo uma pessoa muito importante, é preciso se levar menos a sério quando for subir no palco e fazer uma apresentação. Só assim você se permitirá errar, aprender com seus erros e subir no palco novamente, com um sorriso no rosto, pronto pra errar de novo e aprender mais. Afinal, os erros que cometemos em uma apresentação só abalam a plateia quando nos mesmos ficamos abalados por eles, e nada melhor do que não se levar a sério para deixar os erros de lado. Tommy apesar de ser nervoso era um sujeito muito engraçado. E o próprio Henry, seu amigo de muitos anos, ao ouvi-lo contar uma piada, olhou para Tommy, ainda chorando de rir e disse sinceramente: “Você é um cara engraçado!”. Tommy fechou o rosto, olhou pro amigo e respondeu: “Engraçado como? Então eu estou te entretendo? Sou um palhaço para você? Eu te divirto?”. Já deu pra sentir o clima tenso que ficou na mesa de bar. Após algum tempo de tensão, Tommy caiu na gargalhada, mostrando que ele estava fazendo piada da sua própria fama de “brigão”. Uma das melhores cenas do filme, devo adiantar, Joe Pesci (Tommy) mandou muito bem.

Em suma, não se leve tão a sério, pois cometer algum erro ficará muito menos “feio” se você rir dele junto com o público. E não encare o sabichão da plateia como um inimigo, no fim das contas, ele pode te ajudar a reforçar suas ideias e comprovar sua solidez. Agora é só se encontrar com os seus bons companheiros, ir para um bar e bater um papo, porque é daí que saem as melhores ideias para fazer uma apresentação.

Rodrigo Ventura
rodrigo@pipocamoderna.com

Sócio-fundador da Pipoca Moderna, colecionador de discos, apreciador de plantas, livros e churros.