Pipoca Moderna | O profissional em apresentações
1309
post-template-default,single,single-post,postid-1309,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

O profissional em apresentações

Um filme que fez muito sucesso por mostrar uma criança de 12 anos que teve sua família inteira assassinada, conheceu um assassino profissional e com ele, tentou apreender sua profissão, O Profissional, estrelado por Jean Reno e Natalie Portman, além de tudo isso, pode nos ensinar muito sobre apresentações, nos tornado verdadeiros profissionais no assunto.

Busque fundamentos palpáveis para seu público. Uma das partes mais importantes de uma apresentação é a sua fundamentação. Todos nós podemos ter ideias mirabolantes e aparentemente geniais, mas fazer pesquisas e encontrar exemplos concretos de que elas realmente podem dar certo, não é pra qualquer um. Tentar montar exemplos imaginários e contar com a abstração do público pode fazer você soar utópico, então apresente suas ideias sem medo da rejeição, e depois do choque inicial, mostre alguma aplicação cotidiana, um exemplo real ou algo do tipo. Como um exemplo de como as coisas podem dar errado ao usar algum fundamento falso, é quando no filme O Profissional, a pequena Mathilda (Natalie Portman) ao ir se hospedar em um hotel com Leon (Jean Reno), agora seu tutor, diz para o recepcionista que ela e Leon eram amantes. Um detalhe é ela ter 12 anos e ele uns 40, o que tornava a situação meio estranha e ilegal.

Procure na plateia pessoas que concordem com você. Sempre tem aqueles espectadoras que ficam balançando a cabeça positivamente para qualquer “A” que você fala durante a apresentação, e você passa a adorá-los, não é verdade? Pois então, procure essas pessoas em alguns cantos variados da plateia e fique a apresentação inteira olhando para eles. Assim, vai parecer que você está olhando pra todo mundo, e ao mesmo tempo, você não correrá o risco de se deparar com aquele cara sisudo, de braços cruzados e uma a sobrancelha levantada, aparentemente duvidando de todo “A” que você fala. Para algumas situações, precisamos de alguns amigos que saibam apenas nos escutar. Como por exemplo, no filme, a melhor amiga do nosso assassino de aluguel é uma planta. Ele conversa com ela, e ela o entende, não o questiona, mas está sempre ali quando ele precisar. O mesmo vale para essas pessoas positivas na plateia.

Não tente ficar imaginando situações, o público pode encarar isso como uma mentira, e ache seus amigos-planta no meio do público. Essas são algumas dicas que o filme pode nos passar.

Eduardo Brunetto
du@pipocamoderna.com