Pipoca Moderna | A arte do improviso nas apresentações
1332
post-template-default,single,single-post,postid-1332,single-format-standard,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-15.0,qode-theme-bridge,disabled_footer_top,disabled_footer_bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2.1,vc_responsive

A arte do improviso nas apresentações

Hoje falaremos sobre o improviso em apresentações. Essa técnica que é muitas vezes mal compreendida por ser confundida com despreparo. Porém, é na verdade, uma arma poderosa para aqueles que sabem usá-la. Até porque o bom improviso vem de muito estudo, experiência e o mais importante, visão. Vamos aqui discorrer alguns argumentos que podem fazer você mudar de opinião em relação ao assunto.

Não dá pra prever tudo o que vai ocorrer durante a sua apresentação, certo? Por mais que você tenha na sua pauta uma série de respostas prontas para prováveis perguntas da plateia, algo totalmente inusitado pode acontecer. E vai acontecer. Não digo só em relação a perguntas, mas algo ainda mais importante, as reações que a plateia pode ter. Na nossa cabeça está tudo certinho: “agora eles vão rir”, “nessa hora vou tentar tocá-los emocionalmente” e etc. Mas na prática, as vezes nossas intenções não acabam se concretizando, o que faz do improviso, nossa única saída para cumprirmos nossos objetivos.

OK, mas como posso aprender a improvisar? Primeiramente isso não vem do nada, como um espírito que desce e te faz sair improvisando. Você só consegue improvisar em cima de uma linha de raciocínio já previamente estabelecida. Você precisa entender seu roteiro, saber quais informações vão aparecer e em que ordem, para então, antecipar uma coisa ou outra, perder mais tempo aqui ou ali, sem acabar se enrolando. As mudanças que você fará durante a sua apresentação, dependerão completamente do feedback que você sentir do público. Caso ele se interesse mais por um tema, você se mantém nele por mais tempo que o planejado. Porém, somente com o total domínio do tema e do roteiro da sua apresentação isso pode dar certo.

Para criar, precisamos saber o básico. Isso não serve apenas para apresentações, obviamente, mas para tudo. Os músicos de Jazz usam muito desse conceito, pois para improvisar, entender a música e sair do óbvio, você precisa ter um total domínio da teoria básica musical. Primeiro conheça as regras para depois desobedecê-las. O mesmo serve para apresentações, meu caro. Somente tendo referências, vendo muitas apresentações, buscando se informar, estudando e etc, você conseguirá desenvolver uma boa técnica de improviso.

O improviso não serve apenas para te tirar daquela enrascada, mas sim para que você consiga adaptar a sua apresentação para diferentes públicos. Sentindo o feedback e imediatamente respondendo a ele. Busque improvisar mais, com toda a certeza cada apresentação sua se tornará única e inusitada. Para ter mais dicas sobre apresentações inscreva-se na nossa Palestra Jazzmistificando Apresentações que vai ocorrer no dia 09/10, e corra porque as vagas já estão acabando!

Eduardo Brunetto
du@pipocamoderna.com